Domingo é dia de “maratonar”, de ficar em casa e celebrar a cultura e a arte do nosso Ceará. E olha a novidade: cinco equipamentos culturais da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) geridos pelo Instituto Dragão do Mar, se reúnem no domingo, dia 16, para a apresentação de uma intensa, diversificada e criativa programação. Com início às 16h e seguindo até às 21h, o público poderá assistir nas redes sociais de cada equipamento o lançamento das ações do programa Arte em Rede. A iniciativa pioneira tem investimento de R$ 247.500 mil e integra e potencializa as atividades da Casa de Saberes Cego Aderaldo, do Centro Dragão do Mar, Cineteatro São Luiz, Porto Dragão e Theatro José de Alencar.

O início das programações do Arte em Rede acontece neste domingo, dia 16/8, e seguem integrando as agendas culturais da rede de equipamentos de difusão até dezembro deste ano. Com 165 projetos contemplados, a programação garante uma grade de qualidade, com atrações em várias linguagens, como artes integradas (projetos que contemplem mais de uma linguagem artística, incluindo moda e design); Artes Visuais e Fotografia; Audiovisual e Arte Digital; Teatro; Circo e Humor; Cultura Popular; Dança; Humor; Dança e Performance; Literatura, Livro e Leitura; Música, Produção; Gestão Cultural e Apoio Técnico.

Programação

A “maratona” de programação no domingo começa às 16h com “Ogroleto em Casa”, Grupo Pavilhão da Magnólia (Teatro infantil) no YouTube do Theatro José de Alencar. Às 17h, o programa ganha ares do Sertão Central, com a apresentação do “Boi Ceará em rede: diálogos e musicalidades populares”, no Youtube e Facebook da Casa de Saberes Cego Aderaldo (Quixadá). O programa de lançamento  “maratona” continua às 18h, com “Experiência Bárbara!” de Mulher Barbada (Música/Pocket show) no YouTube do Cineteatro São Luiz. Às 19h, tem “De Frente com Deydi” de Deydianne Piaf (Humor), no YouTube do Dragão do Mar. A programação se encerra às 20h, com “Poeira – Travessias Dramatúrgicas” do Grupo Ninho de Teatro no Youtube do Porto Dragão.

Saiba mais

O Arte em Rede se insere dentro de um conjunto de iniciativas que o Governo do Estado do Ceará, a Secretaria da Cultura do Estado, junto a sua Rede de Equipamentos, e o Instituto Dragão do Mar vêm realizando com o objetivo de promover e movimentar a criação, difusão e economia artística e cultural do Estado, no contexto de medidas de distanciamento social necessárias neste período de pandemia do Coronavírus, incentivando a sustentabilidade do fazer artístico através de iniciativas que contemplem os artistas, grupos, coletivos, companhias e demais profissionais e empreendimentos culturais cearenses.

O Arte em Rede também integra o Programa “Cultura em Rede”, previsto no Planejamento Estratégico da Secult, com o intuito de articular, integrar e potencializar os equipamentos culturais do Estado, para estimular o compartilhamento e a colaboração entre os equipamentos vinculados à Secretaria da Cultura, para que possam atuar de forma sistêmica no desenvolvimento e consolidação da política cultural do Ceará.

DOMINGO É DIA DE ARTE NA REDE

Programação corrida por ordem cronológica

THEATRO JOSÉ DE ALENCAR – 16H
“Ogroleto em Casa” do Grupo Pavilhão da Magnólia
Teatro infantil | 40 minutos
YouTube do Theatro José de Alencar (http://youtube.com/theatrojosedealencar)

CASA DE SABERES CEGO ADERALDO – 17H
“Boi Ceará em rede: diálogos e musicalidades populares” de Mestre Zé Pio
Cultura Popular / Transmissão ao vivo | 60 minutos
Facebook e Youtube da Casa de Saberes Cego Aderaldo (Youtube)

CINETEATRO SÃO LUIZ – 18H
“Experiência Bárbara!” de Mulher Barbada
Música / Pocket show | 31 minutos
YouTube do Cineteatro São Luiz (youtube.com/CineteatroSãoLuizFortaleza)

CENTRO DRAGÃO DO MAR – 19H
“De Frente com Deydi” de Deydianne Piaf
Humor | 21 minutos
YouTube do Dragão do Mar (youtube.com/dragaodomarcentro)
Classificação etária: 12 anos

PORTO DRAGÃO – 20H
“Poeira – Travessias Dramatúrgicas” do Grupo Ninho de Teatro
Teatro | 60 minutos
Youtube do Porto Dragão (Youtube.com/PortoDragao)

CONFIRAM PROGRAMAÇÃO DO MÊS – ARTE EM REDE

>> CASA DE SABERES CEGO ADERALDO

DOMINGO, 16 DE AGOSTO

Foto: Guilherme Silva

“Boi Ceará em rede: diálogos e musicalidades populares”, de Mestre Zé Pio (Parte 01).
17h
Facebook e Youtube da Casa de Saberes Cego Aderaldo.

DOMINGO, 23 DE AGOSTO

“Boi Ceará em rede: diálogos e musicalidades populares”, de Mestre Zé Pio (Parte 02).
17h

Facebook e Youtube da Casa de Saberes Cego Aderaldo.

O projeto “Boi Ceará em rede: diálogos e musicalidade populares” tem por objetivo democratizar o conhecimento da população cearense acerca da brincadeira do bumba-meu-boi, a partir da experiência de José Francisco Rocha – mais conhecido como Mestre Zé Pio. A presente iniciativa teve como ponto de partida, o desejo de construir alternativas para os grupos de tradição em meio ao cenário de isolamento social, provocado pela pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa busca ainda demonstrar a relevância da trajetória do Mestre Zé Pio para a brincadeira do bumba-meu-boi em Fortaleza, bem como expandir os espaços de atuação dos “Tesouros Vivos do Ceará” junto aos equipamentos da Secretaria da Cultura do Ceará (SECULT/CE).

A ação se dará com a realização de duas transmissões on-line do Boi Ceará, com vistas a democratizar o acesso aos saberes e fazeres que constituem a tradição do bumba-meu-boi, sendo a primeira transmissão on-line voltada para as músicas cantadas durante as apresentações do boi e a segunda voltada para a história de vida do Mestre Zé Pio, bem como dos elementos que formam a brincadeira do boi.

>> CINETEATRO SÃO LUIZ

DOMINGO, 16 DE AGOSTO

“Experiência Bárbara!”
Mulher Barbada
Música / Pocket show | 31’38”
18h
Canal no YouTube do Cineteatro (http://youtube.com/CineteatroSãoLuizFortaleza) e em seu site (www.cineteatrosaoluiz.com.br)

Fruto de um desejo e um esforço em reunir saberes técnicos e inspirações artísticas, “Experiência Bárbara!” é um espetáculo onde Mulher Barbada exibe seis músicas de seu novo trabalho autoral, canções que desenham suas inquietações artísticas, de tempos e lugares diferentes. Neste pocket show, ela não só canta e interpreta cada composição, mas também as apresenta e, nesta exposição, pretende trocar experiências e opiniões com quem assiste.

Em “Experiência Bárbara!”, Mulher Barbada revela seus interesses e começa a desbravar um novo território dentro da música, diferente da maioria de suas produções até agora.

O show tem início com a música “Berro” de Clau Aniz, e é seguido por: “Désolée Rock” de Mona Gadelha, “Partir Também é Chegar” de Caio Castelo, “Devorada” de Bruno Leonardo, “Sem Nome” de Caio Batista, Viviane Brasil, Felipe de Paula e Caio Castelo, e “Ressaca” de Clau Aniz. Há cerca de um ano, Mulher Barbada vem produzindo música com o produtor, compositor e cantor Caio Castelo e este pocket show dá um gostinho do trabalho que vem sendo desenvolvendo e do que o público pode aguardar.

TERÇA, 18 DE AGOSTO

“No olho do peixe virado pedra”
Alan Mendonça
Cinema / Documentário-poesia | 26’28”
20h
Canal no YouTube do Cineteatro (http://youtube.com/CineteatroSãoLuizFortaleza) e em seu site (www.cineteatrosaoluiz.com.br)

“No olho do peixe virado pedra” é um documentário-poesia realizado a partir do conteúdo poético e do pensamento humano-estético presente no livro “O cinema dos fósseis”, do escritor, compositor e dramaturgo Alan Mendonça. O documentário tem como objetivo a provocação de encontros e de diálogos profundos possíveis em meio à superficialidade dos dias e ao isolamento.

O livro “O cinema dos fósseis” [Editora, 2018] é o sexto livro de poesia de Alan Mendonça e traz em seu conteúdo a vertente minimalista deste autor. Trata-se de um livro de poemas curtos, sintéticos, dentro do universo da intimidade humana com seus detalhes de medo e esperança, de festa e vazio, de grandes miudezas e silêncios.

Alan Mendonça é escritor, letrista, dramaturgo, arte-educador, editor e produtor cultural. Foi, por diversas vezes, diretor artístico de discos, espetáculos, feiras, mostras, encontros e festivais. Graduado em Letras e Mestre em Linguística Aplicada pela UECE, é Especialista em Arte e Educação pelo IFCE e Gestor Cultural pela UFC.

QUARTA, 26 DE AGOSTO

O Drama da Corredeira
Cinema | 7’44”
10h
Onde: no canal no YouTube do Cineteatro (http://youtube.com/CineteatroSãoLuizFortaleza) e no instagram @cineteatrosaoluiz / Recursos de acessibilidade: Libras e legendas

O Drama da Corredeira é uma animação realizada no sentido de trazer uma sensibilização, a partir da infância, acerca da preservação de espécies de animais, como a cobra corredeira. O propósito é romper com a cultura de que todas as espécies de cobras são venenosas com uma linguagem acessível a todos os públicos. O filme leva a reflexão sobre alimentação, ar, água e o clima

Ficha técnica: Dona Corrinha – O Drama da Corredeira
Autor: Julimar Oliveira Voz
Personagens: Narrador – Aécio Diniz Dona Corrinha – Anna Beatriz Diniz Tino – Thiago Rodrigues Seu Crolatino – Aécio Diniz
Casa de Produção Cultural
Roteiro: Aécio Diniz/ Fabiana Barbosa / Julimar Oliveira / Kalleb Oliveira
Ilustrações: Julio Andrade
Edição e Efeitos: Helio Filho
Captação de Áudio, Ambientação e Trilha Sonora: Aécio Diniz
Intérprete de Libras: Reberlânia Pereira
Produção Executiva: Fabiana Barbosa

SEXTA, 28 DE AGOSTO

Atrás da empanada: memórias virtuais sobre o teatro de bonecos no Ceará
Casulo Produções e Arte
18h
No site do Cineteatro São Luiz 
https://www.cineteatrosaoluiz.com.br/exposicoes

“Atrás da empanada: memórias virtuais sobre o teatro de bonecos no Ceará“ é uma exposição virtual que contém uma série de fotografias acompanhadas de áudios e percursos, imagens e cartografias colhidas em pesquisa realizada com bonequeiros e grupos de teatro de bonecos, de Fortaleza, que geraram narrativas fotográficas, construindo um olhar foto-documental sobre essa prática.

O material construído na pesquisa tem o formato de linha do tempo, sendo composto de postais-virtuais, vídeos e ensaios etnográficos. O acervo virtual se destina à pesquisa de artistas, pesquisadores e demais interessados, bem como público em geral – visando suprir carência de fontes na área – e, sobretudo, preservar a memória da história do teatro de bonecos no Estado.

Ficha técnica:
Produção: Tatiane Sousa
Pesquisa: Tatiane Sousa
Fotografia: Cleomir Alencar
Captação de imagens: Cleomir Alencar
Edição: Cleomir Alencar

>> DRAGÃO DO MAR

DOMINGO, 16 DE AGOSTO

“De Frente com Deydi”
Deydianne Piaf
Humor, 21min
19h
Canal do Dragão do Mar no YouTube (www.youtube.com/dragaodomarcentro)

“De frente com Deydi” é uma homenagem divertida, caricata e genuinamente cearense que Deydianne Piaf faz aos programas de TV que embalaram a infância da geração brasileira dos anos 80 e 90, inclusive, na sua, vivida no Conjunto Ceará, em Fortaleza.

No programa, além de Deydianne Piaf, que traz referências de apresentadoras de programas vespertinos da televisão brasileira, a personagem dá vida a outras três personagens neste episódio piloto: Ludmilla, uma jovem de 18 anos, webcelebridade, inspirada no começo da carreira da atriz e cantora Larissa Manoela; Deydi Caçarola, inspirada na chef de cozinha Paola Carrosella; e Deydi Annember, em referência à jornalista e apresentadora da Rede Globo.

SÁBADO, 22 DE AGOSTO

“Um estudo sobre a Lenda da Carimbamba no bairro Vila União”
Grupo de Tradições Folclóricas Raízes Nordestinas
Cultura Popular, 30min
17h
Canal do Dragão do Mar no YouTube (www.youtube.com/dragaodomarcentro)

“A Lenda da Carimbamba” é um trabalho de pesquisa do Grupo de Tradições Raízes Nordestinas apresentado por ocasião do espetáculo Andanças, que esteve em cartaz no ano de 2019. Agora, o grupo o revisita e destaca a lenda, apresentada a partir da ótica de sua pesquisadora, dos protagonistas que deram vida aos personagens, além de entrevistas feitas por pessoas que assistiram ao espetáculo. Principais ações: Entrevistas, Apresentação da pesquisa, Aula expositiva e narrativa, Depoimentos.

DOMINGO, 30 DE AGOSTO

“Em casa ou no quintal, raízes do Cariri”
Bete Pacheco
Literatura, 28min
17h
Canal do Dragão no YouTube (www.youtube.com/dragaodomarcentro)

O projeto será uma sessão de narrativas orais (contação de histórias), com contos tradicionais que foram recolhidos no Cariri cearense, gravados durante o período da quarentena, e agora apresentados ao público, como forma de difundir a literatura popular.

>> PORTO DRAGÃO

DOMINGO, 16 DE AGOSTO

“Poeira – Travessias Dramatúrgicas”
do Grupo Ninho de Teatro
Teatro, 60min
20h
Youtube do Porto Dragão

“Poeira” é uma montagem do Grupo Ninho de Teatro, um espetáculo que é uma homenagem aos Mestres da Tradição Popular do Cariri. Com acesso amplo a muita informação a outras referências culturais, muitas vezes deixamos de olhar para a nossa própria cultura. “Poeira” nos faz, através das memórias de Mestres Populares, um convite ao reencontro com traços de nossa identidade cultural. Assim, conhecemos mais de nós através dos Mestres, bem como de nossa identidade cultural, num movimento de pertencimento ao nosso lugar-raiz.

O trabalho “Poeira – travessias dramatúrgicas e processo” propõe um material audiovisual em que os intérpretes criadores intervém nas cenas criadas para o espetáculo trazendo uma reflexão acerca da tradição popular e da inspiração de cada mestra e mestre para a criação do trabalho, bem como do contexto do Cariri cearense como um território com presença ancestral e com diversa representação de manifestações artísticas populares que se mantém vivas através da passagem de saberes-fazeres.

QUINTA-FEIRA, 20 DE AGOSTO

“O Circo Clássico Tradicional”
de Coletivo FusCirco
Circo, 12min
20h

Narrativas fotográficas: processos e percursos na construção da imagem, tem como proposta o diálogo sobre processos criativos fotográficos e os percursos dentro desses processos. A ideia é partir da pesquisa e metodologia utilizada em três trabalhos autorais: Feudo-Capitalismo, Territórios e O Silêncio da Sereia, apresentando possibilidades de caminhos, itinerários, possíveis da concepção da imagem. Compartilhando as vivências de cada projeto.

O projeto, que é uma oficina sobre as múltiplas narrativas da imagem, tem como pilar trazer três trabalhos de fotografias que foram realizados nas periferias de Fortaleza, sendo elas a Comunidade Tieta, localizada no Montese, Jangurussu e Pirambu. O projeto pretende, através da imagem, pluralizar os processos de construção e representação social. Utilizando influências que propõem uma ponte de questões entre os personagens registrados. Cada trabalho traz suas singularidades e vivências dentro de questões sociais emergentes, como a questão das mulheres da periferia, as disputas territoriais e questões de desigualdade sociais, através signos e composições pouco convencionais, aduzindo os múltiplos processos criativos, e a construção de narrativas plurais de retratos sociais.

O projeto tem como objetivo a criação de um imaginário que proponha novos olhares e possibilidades para as questões sociais e a construção da imagem. Propondo através de formato digital, em meio ao cenário apresentado de isolamento social, a conversa e troca de caminhos possíveis para realização de trabalhos fotográficos, assim como expandir a perspectiva de elaboração da imagem.

SEXTA-FEIRA, 21 DE AGOSTO

“Histórias da Aldeia – Episódio Váldira”
de Coletivo Entre Olhos
Audiovisual, 3min24seg
20h

“Histórias da aldeia” é um web-série-relato de histórias, causos, contos que são dado através das palavras dos troncos velhos da aldeia da monguba, os vídeos são demandados e produzidos por indígenas da localidade para projetos de preservação e memória local.

SÁBADO, 22 DE AGOSTO

“25 anos de Solidão e Arte”
de Karine Alexandrino
Música, 30min
20h

Karine Alexandrino apresenta seu processo de criação entremeado por apresentações do concerto que comemora seus 25 anos de carreira com registros de comentários do seu processo criativo pela própria Karine Alexandrino, gravados no período de quarentena entremeado pelos melhores momentos do show de 25 anos registrados em vídeo no final de 2019.

DOMINGO, 23 DE AGOSTO

“Anacé – Memórias da retomada de São Sebastião”
de Iago Barreto Soares
Fotografia
17h

Janeiro de 2018. O povo Anacé da Japuara realizou uma retomada, então sua terceira, porém essa tinha um objetivo muito específico, era então a terra ocupada por gado, foi tomada dos Anacé por fazendeiros locais, privando parte dos Anacé da produção de alimento e de condições de moradia. Como fotógrafo pude participar desde o início do processo convivendo com Climério Anacé e com o Cacique Antônio Anacé.

Esse trabalho quer fazer uma revisitação aos arquivos desses dois anos de retomada 2018 e 2019 através das fotografias produzidas e dos textos reflexivos de Climério Anacé, hoje cacique do povo. Passando por momentos como as invasões policiais, momentos de lazer, o falecimento do Cacique Antônio, e a consagração dos novos caciques. Criando assim um diálogo sobre a luta indígena no estado do Ceará nesses anos mais recentes. Além das fotografias e textos também queremos fazer gravação de áudios em formato do podcast com essa troca de processos entre mim e Climério Anacé.

O resultado esperado é o processo de construção através dos arquivos, uma exposição virtual sobre a memória da luta indígena, passando pela memória do Cacique Antônio e do recém consagrado Cacique Climério Anacé.

>> THEATRO JOSÉ DE ALENCAR

DOMINGO, 16 DE AGOSTO

Ogroleto em Casa”
Grupo Pavilhão da Magnólia (Fortaleza)
Teatro infantil | 40 minutos
16h
Canal no YouTube do Theatro José de Alencar (https://www.youtube.com/theatrojosedealencar)

Um menino se percebe muito diferente das demais crianças e lidar com essa diferença, para ser aceito, parece não ser fácil. Nessa árdua tarefa da aceitação, ele conta com a ajuda da sua mãe. Essa é a premissa da obra Ogroleto de Suzanne Lebeau, que dialoga com questões contemporâneas do mundo das crianças e adultos possibilitando novas discussões acerca da cultura da infância, sua subjetividade, estética e poética.

“Ogroleto em casa” é uma proposta de exibir uma versão adaptada do espetáculo Ogroleto. A versão feita em casa durante a pandemia/isolamento social,fez com que o grupo recorresse a pesquisar elementos técnicos das ferramentas on-line para recriar o universo do espetáculo, onde a ludicidade e aproximação com público (agora, virtual).

SEGUNDA, 17 DE AGOSTO

Programação Theatro de Portas Abertas –  Dia do Patrimônio


“Música e brinquedo popular nos recicla e faz voar”
Kadu Lopes (Pacatuba – CE)
Música | 17 minutos
17h
Canal no YouTube do Theatro José de Alencar (https://www.youtube.com/theatrojosedealencar)

Música e brinquedo popular nos recicla e faz voar”, é fruto da trajetória do músico Kadu Lopes de brincar Maracatu na comunidade do Jardim América com a família. Ainda durante a infância, no primeiro maracatu de Fortaleza, o Az de Ouro e quando adolescente, integrante fundador do Maracatu Nação Fortaleza. A partir dessa manifestação da cultura popular, também construiu a formação junto à música regional, nordestina e brasileira, dialogando com as práticas de educação popular e ambiental.

O trabalho, desenvolvido durante o período de isolamento social, expressa a vontade de enxergar os resíduos sólidos, produzidos com mais intensidade em casa nesse período, como possibilidade criativa. E mais que isso, se valer dos ensinamentos do maracatu e de outras expressões da cultura popular como ferramenta para esse exercício de memória e cultura. Permite reaproximar das heranças afrodescendentes, e a partir da construção de instrumentos feitos de material reciclável em casa, vivenciar esse brinquedo popular.

“O Universo sonoro das bandas cabaçais”
Vanildo Franco (Guaramiranga – CE)
Música | 40 minutos
18h
Canal no YouTube do Theatro José de Alencar (https://www.youtube.com/theatrojosedealencar)

“Universo Sonoro das Bandas Cabaçais” trata-se de uma aula espetáculo, onde o artista Vanildo Franco leva ao espectador uma abordagem sobre a sonoridade das bandas Cabaçais da região do Cariri, sul do estado do Ceará. Baseado na sua pesquisa, ele aborda as característica da formação instrumental das bandas e ilustra cada passagem com suas composições autorais, onde demonstra as várias melodias executadas.